top of page
  • MS.gov

Para proteção do Pantanal e demais biomas, Governo de MS decreta situação de emergência ambiental



Fotos: Saul Schramm

Com alerta para a situação climática em Mato Grosso do Sul por conta das chuvas abaixo da média desde dezembro do ano passado, o Governo do Estado decretou situação de emergência ambiental. A ação tem como principal objetivo propor ações para proteção de todos os biomas do Estado - Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica -, suscetíveis a incêndios florestais.

O governador Eduardo Riedel assinou o decreto na manhã desta terça-feira (9), durante o 1° Workshop Presencial de Prevenção aos Incêndios Florestais em 2024, promovido pelo Governo de Mato Grosso do Sul, por meio da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação) e o Comitê do Fogo (Comitê Interinstitucional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais).

"Temos R$ 25 milhões em recurso para atuação preventiva, pronto para ser usado e evitar que a gente tenha milhões de hectares queimados. Estamos nos preparando para minimizar caso ocorra algum problema", disse o governador.

Na ocasião também foi lançada a campanha anual de prevenção e combate a incêndios florestais pelo secretário-executivo de Comunicação, Frederico Fukagawa Hozano de Souza.

A iniciativa promove a conscientização e o engajamento da comunidade na preservação dos biomas de Mato Grosso do Sul, reforçando a importância da prevenção e da ação coordenada na proteção do meio ambiente. "Desenvolvemos um plano de comunicação para auxiliar no trabalho de combate e prevenção aos incêndios florestais", afirmou Frederico Fukagawa.

Também participaram do evento os secretários Jaime Verruck (Semadesc) e Antonio Carlos Videira (Sejusp), além do coronel Frederico Reis Pouso Salas (comandante do Corpo de Bombeiros), Marcelo Bertoni (presidente da Famasul), Bruno Cambraia (ICMBio, e especialistas nacionais e estaduais da área de proteção ambiental e previsão do tempo e do clima.

"O decreto é para o Estado todo, com atenção especial ao Pantanal. Estamos propondo a queima prescrita, que é uma inversão da lógica, com o Estado identificando locais com acúmulo de biomassa. É uma inovação do ponto de vista de combate a incêndio", disse Verruck.

Mato Grosso do Sul enfrenta um grande desafio no combate às queimadas desde o início de 2024, com chuva abaixo da média histórica desde o fim do ano passado. Os focos de incêndio registrados no período em 2024 já são quase o dobro do mesmo período do ano passado.

Por isso, o Governo de Mato Grosso do Sul investe em ações como campanhas de conscientização, equipamentos, tecnologias de monitoramento e detecção precoce de incêndios para minimizar impactos, combater e mitigar os efeitos dos incêndios de maneira mais efetiva possível.

O Corpo de Bombeiros conta com efetivo de aproximadamente 1,6 mil profissionais e mais de 300 são altamente capacitados para combates a incêndios florestais.

O Governo do Estado investiu, desde 2023, mais de R$ 1,4 milhão em equipamentos de proteção individual específicos para o combate a incêndios florestais - capacetes, abafadores e trajes de proteção especial. Para esta temporada de incêndios florestais serão destinados mais R$ 25 milhões para garantir a efetividade das ações de combate em todo o Estado.

Proteção

O plano de operações para a temporada de incêndios (TIF) de 2024, denominado 'Operação Pantanal 2024', está em sua segunda fase, focado em estratégias de prevenção e preparação para combater os incêndios florestais e proteger o bioma do Pantanal, onde ao todo 31 militares concentram seus esforços na limpeza de estradas e cabeceiras de pontes, atuam no estabelecimento de bases avançadas em Corumbá e no reconhecimento e monitoramento dos parques estaduais da região.

Na semana passada, na terça-feira (2), as equipes do Corpo de Bombeiros que realizam atividades de educação ambiental e prevenção aos incêndios florestais nas comunidades tradicionais, propriedades rurais e parques estaduais localizados no Pantanal, iniciaram a ação.

As seis guarnições, formadas por 24 bombeiros com o suporte de uma equipe composta por mais 15 profissionais responsáveis pelo gerenciamento, logística e monitoramento dos dados do SCI (Sistema de Comando de Incidentes) estabelecido em Campo Grande e Corumbá, deixaram a base operacional, na Capital, para os diferentes locais atendidos nesta etapa do trabalho.

A atividade de orientação e educação é realizada anualmente, porém em 2024 o trabalho foi antecipado. O alerta climático, com possibilidade de ocorrência de incêndios florestais intensos em todo o Estado e especialmente no Pantanal, antecipou a ação em pelo menos um mês.

Em paralelo ao trabalho preventivo com orientação e educação ambiental, também serão instaladas bases avançadas de combate aos incêndios florestais na região pantaneira para facilitar o deslocamento das equipes e a resposta no controle das chamas, especialmente em áreas de difícil acesso.

"O Pantanal é o bioma que temos mais dificuldade de acesso. Por isso vamos estabelecer as bases avançadas pela primeira vez, é uma novidade este ano. Precisamos diminuir o tempo de resposta", explicou a tenente-coronel Tatiane Inoue, diretora de Proteção Ambiental do Corpo de Bombeiros Militar, responsável pelo monitoramento e ações de combate aos incêndios florestais no Estado.

As duas primeiras bases avançadas serão instaladas às margens dos rios Paraguai e São Lourenço, na divisa com o Mato Grosso. "Em alguns momentos, durante o período de estiagem, os incêndios com origem no estado vizinho acabam entrando naquela região. Queremos evitar essa progressão para dentro do nosso Estado", afirmou Inoue.

Comments


bottom of page