top of page
  • MS.gov

Para agilidade e sustentabilidade, sistema que elimina uso de papel em MS começa a funcionar em 2024


A plataforma unificada de demandas internas e externas para tramitação de documentos e virtualização de processos da administração pública, lançada hoje pelo Governo do Estado, vai começar a funcionar de forma efetiva a partir de janeiro de 2024.

“Este é o início de uma caminhada que está no conceito da sociedade atualmente, que é o digital. Todos nós estamos inseridos neste processo, por meio da comunicação, serviços em geral. O que aconteceu com os bancos, vai acontecer com os governos. Alguns estados avançaram mais do que nós, e vamos aproveitar o que os outros fizeram para a nossa realidade, trazendo resultado e eficiência”, afirmou o governador Eduardo Riedel.

A previsão é de que com o Sistema de Processo Administrativo, as atividades em trâmite na gestão sejam executadas de maneira mais rápida e eficiente, além de gerar econômica de aproximadamente 50% em relação ao uso de papel.

“Estimamos economia de 50% relativo ao uso de papel. É uma ação de sustentabilidade, economia e eficiência que o sistema vai proporcionar. Sabemos que o processo de maturidade digital é gradativo, pode levar dez anos. Mas precisamos iniciar, e com a ajuda de todos que vão utilizar o sistema”, pontuou a secretária de Estado de Administração, Ana Carolina Nardes.

A ação é alinhada com as diretrizes governamentais de transformação digital do Governo do Estado, e realizada em parceria entre a SAD (Secretaria de Estado de Administração) e a Segov (Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica).

“Criamos a Secretaria Executiva de Transformação Digital que vai auxiliar o Governo a desenvolver as plataformas de serviços e outras ações efetivas. Teremos mais eficiência e qualidade, em especial nos processos eletrônicos. Tirar o papel é uma das primeiras ações, e assim damos mais sustentabilidade, com rapidez e economia, e caminhamos para transformar o Estado em digital”, disse o titular da Segov, Pedro Arlei Caravina.

O governo estadual implementa a plataforma de processos administrativos digitais para eliminar o uso de papel e assim gerar economia aos cofres públicos e sustentabilidade ambiental. Esta mudança dará mais agilidade aos processos e ao mesmo tempo será uma ação sustentável, com foco na responsabilidade ambiental.

Na solenidade foi assinado o decreto de regulamentação que institui o Cogepae (Comitê Gestor do Processo Administrativo Eletrônico), responsável pela implantação do Sistema do Processo Administrativo Eletrônico nos órgãos da administração direta, Autárquica e fundacional do Executivo Estadual. Também foram apresentados o sistema, o cronograma do projeto e das capacitações dos servidores.

“Vamos capacitar todos os servidores para o uso do sistema. Além de possibilitar a tramitação em qualquer lugar, também poderá ser usado o aplicativo, com modelos de documento padrão”, explicou a secretária da SAD.

A ferramenta marca o novo ciclo de inovação tecnológica para a gestão digital dos processos administrativos do Estado, iniciativa que vai garantir a celeridade, produtividade, economicidade, melhores resultados e modernização governamental.

Estado digital

Em março deste ano comitiva formada pelos secretários Pedro Caravina, Ana Nardes e Hélio Peluffo (Infraestrutura e Logística) foram ao estado do Mato Grosso para conhecer processo de tramitação eletrônica.

Eles conheceram o SIGAdoc, ferramenta adotada em todo Executivo Mato-grossense, que visa eliminar o uso do papel, otimizar recursos e digitalizar processos na administração pública.

“Estivemos no Mato Grosso e verificamos que é preciso começar o processo de forma mais simples, para depois atingir objetivos maiores. Eliminar o papel é o primeiro passo”, disse Caravina.

Em maio deste ano a SAD assinou o contrato de gestão que prevê entre as metas a implantação de modelo centralizado de compras, programa de modernização de gestão patrimonial e sistema de processo administrativo eletrônico.

“Vamos ter processos administrativos e documentos virtualizados. O sistema que estamos apresentando, é integrado com outros e vamos continuar utilizando o que já existe”, finalizou Ana Nardes.

Comentários


bottom of page